Sindicatos e instituições superiores de todo o Brasil intensificam as mobilizações nesta segunda-feira, 26, com o objetivo de conter o avanço das votações dos projetos da Reforma da Previdência e Reforma Trabalhista no Congresso Nacional. As atividades culminarão em uma greve geral marcada para a próxima sexta-feira, 30 de junho, confirmada pelas centrais sindicais.

A União Geral dos Trabalhadores (UGT) reforçou em nota divulgada no site da instituição que a mobilização está mantida. “A UGT em momento algum desistiu da greve geral do dia 30 de junho. A notícia publicada no Fake News da Revista Época nesta quinta-feira (22) é inverídica. Unidos nós somos fortes. Por esse motivo é comum, nesse momento, tentar desorganizar o movimento conjunto das centrais contra as Reformas Trabalhista e Previdenciária”, afirmou o presidente da UGT, Ricardo Patah.

A Feifar apoia a iniciativa e participará da campanha de mobilização pela Greve Geral. “O clima de insatisfação não apenas com as reformas, mas com o encaminhamento que o atual governo tem dado a esse momento de crise econômica e política do país está reforçando o anseio popular por mais respeito aos trabalhadores nas decisões do Congresso Nacional. A mobilização está levando muitos parlamentares a repensarem o apoio ao Governo nessas reformas”, acredita o presidente da Feifar, Renato Melo.

Calendário de Atividades

• 27 de junho: audiência dos Presidentes das Centrais Sindicais no Senado;
• 27 a 29 de junho: ação nos aeroportos, nas bases dos senadores e no senado federal;
• 30 de junho: greve geral com paralização de diversas categorias em todo o país;
Extra: mobilização em Brasília no dia da Votação da Reforma Trabalhista no Senado.